Aos amigos e amigas que tem a curiosidade, como tive, de adquirir um Vaporizador ou como é popularmente conhecido ‘VAPE’!

Sim, a nova onda nos Estados Unidos vem de mansinho para o Brasil e já podemos notá-la nas redes sociais e até mesmo em bares e lounges, se acon­chegando assim como nós do arguile fizemos no começo, dando um jeitinho para poder desfrutar de uma ses­são e compartilhar, os ‘juices’.

Calma, vou discorrer mais sobre o ‘VAPE’ e as partes que o com­põem, mas antes de continuar gostaria de deixar bem claro que ele não tem nada a ver com o arguile. Apesar de ambos ter como principal função conec­tar os consumidores e admiradores, socia­lizando-os e criando novas amizades, posso ver isso acompanhan­do e participando ati­vamente dos grupos. Por isso meus caros, vamos ser um pouco mais maleáveis e lem­brar de todo o precon­ceito e julgamento que passamos perante a sociedade em nosso início, vamos abraçá -los e ajudá-los como um ‘irmão mais novo’ assim será menos dolorosa sua chegada neste país ‘tupini­quim’, onde tudo que é diferente e desco­nhecido causa um al­voroço sem tamanho e os envolvidos acabam sofrendo muita discri­minação durante sua adaptação.

Começo explicando alguns modelos de ‘VAPE’ disponíveis no mercado. Temos a fa­mosa caneta eletrôni­ca, que é muito básica e geralmente não há a possibilidade de trocar o sabor e costumam ter vida útil curta. Exis­te também a opção das canetas eletrônicas mais completas, estas sim, você consegue trocar o sabor e tem o seu tempo de vida pro­longado.

Deste ponto em diante o ‘VAPE’ se torna mais interessante, pois exis­tem os mais comple­tos, que possibilitam a troca de sabores, inse­rir novas baterias pro­longando a sessão e outros itens que serão fundamentais para seu consumo. Os vaporiza­dores mais completos têm duas ramificações, o modelo “eletrônico” e o “mecânico”.

O vaporizador eletrôni­co tem características mais seguras, propor­cionando uma blinda­gem em seu corpo e um sistema de segu­rança no botão, onde evita que o acionamen­to seja por um tempo prolongado evitando o super-aquecimanto, todo o seu componen­te vem funcionando de forma perfeita de fábri­ca, sem a necessidade de se fazer qualquer tipo de alteração ou ajuste feito pelo con­sumidor.

O vaporizador mecâ­nico são para os mais experientes, estes sim lhe dará muito trabalho para extrair totalmente o sabor e a fumaça, porém o consumidor deve ter conhecimento muito apurado quando for programá-lo e utilizá-lo, pois o usuário irá controlar desde o tem­po de acionamento até a potência de filamen­to, que se trata de um ponto importantíssimo.

Grosseiramente, pode­mos dizer que o ‘VAPE’ é composto por três partes indispensáveis para seu funcionamen­to em forma plena e nada mais, o “MOD”, o “TANK” e a “COIL”.

MOD Facilmente identificado pois é a maior parte que irá compor seu ‘VAPE’, podemos iden­tificá-lo como o corpo, este item é formado por componentes eletrônicos e ativado através de uma ou mais baterias, isso irá depender do modelo e da marca de seu vapo­rizador.

TANK Este item tem como função armazenar todo o ‘juice’ que será consumido durante a sessão, a mesma terá duração determinada de acordo com a quan­tidade de ‘juice’ arma­zenada no TANK.

COIL ou COIL HEAD Parte indispensável do ‘VAPE’, pois auxilia na queima do ‘juice’. É composta por um filamento e algodão, que irá aquecer ao acionar o botão do ‘VAPE’ e assim o calor vai ser transferido para o algodão que estará encharcado com o sa­bor, ‘juice’ (escolhido pelo consumidor), que liberará a fumaça devi­do ao aquecimento do algodão.

Por: Redação HBE