Na edição passada, agraciamos vossas senhorias com um mar de informações no que tange os mitos e verdades deste esfumaçado meio no qual nós, em nossa condição de ‘fumeta’, nos situamos.

Mas não pense você, caro líder de ginásio, que acabamos por lá. Viemos, por meio desta lhe trazer a segunda parte desse tão famigerado tema, que causa burburinho e alvoroço, além de uma tremenda algazarra, até nas mais remotas rodas de arguile.

Então, se segura na cadeira e fique ligado na lista a seguir, pois se não encontrou a resposta para a sua pergunta antes, com certeza vai encontrar agora!

6 – Carvão de Fibra de Côco é mais saudável
VERDADEIRO
Olha… Não quer dizer que 9 em 10 médicos recomendam uma sessão de arguile com carvão de coco em casos de suspeita de dengue.
Mas, comparado a outros tipos de carvão, como por exemplo, o carvão de pólvora, carinhosamente apelidado de ‘PORVÃO’, que usa aditivos nada ortodoxos para garantir um rápido acendimento, ele é realmente menos danoso à saúde. Se compararmos também com o carvão vegetal, que é praticamente um primo de segundo grau do carvão de churrasco, o saldo ainda é positivo. E bastante! Ademais, a incidência de gosto do carvão de coco em comparação com os demais é praticamente nula.
Portanto, quando chegada a hora, vá de coquinho!

7 – Vape e arguile são a mesma coisa
MITO
Apesar da similaridade na produção de volume de fumaça e do fato de por vezes o vape ser chamado de “arguile de mão”, eles não são a mesma coisa. Os vaporizadores, como dito no nome, produzem VAPOR, enquanto nosso querido nargos, FUMAÇA. E sim, há diferença entre os dois. Quer saber qual? Dá uma conferida na edição 21 desta magnânima revista, pois lá temos uma matéria que vai a fundo nesse assunto.
Resumindo: a única semelhança entre os dois é a produção de gloriosas nuvens saborizadas com sedução e prazer.

8 – A furação influencia na sessão
VERDADEIRO
Pode parecer ‘palhaçadinha’, um mero chiste ou até mesmo menisquência. Mas acredite: não é! A fita é que a queima da shisha não depende apenas da combustão do carvão, mas também do oxigênio e de como ele se comporta dentro do rosh. E o que vai ditar isso, meu caro paladino, são os furos e a sua disposição no campo atingido pela calorimetria dos carvões.
“Eita diabo, como assim, Silveira?!”
Calma…
Antes de tudo, é importante frisar que o oxigênio é um comburente, ou seja, um catalisador de queima. Então, quanto mais furos no seu formoso rosh, mais oxigênio transitará por entre o tabaco, e, consequentemente, mais calor. Por conta disso, também, o contato direto da brasa do carvão com o tabaco se torna mais intenso.
Tudo depende do tipo de tabaco que “vossa mercê” apreciará, da estirpe de sessão que deseja promover, enfim, são diversas possibilidades.
No mais: fique ligeiro no seu controle de calor.

9 – É tranquilo fumar com bebidas alcoolicas na base
MITO
Não, não, não, não, não. Não mesmo! Pelo amor de Deus, NÃO!
Se tem uma tecla que nós, dinossauros da era mesozóica do ‘nargos’, batemos desde que começamos a produzir conteúdo, é essa: NÃO FUME COM BEBIDAS ALCOÓLICAS NA BASE!
É muito simples, meus comissários: sabe álcool? Então… e fogo, sabe?! Pois é… e você sabe o que acontece quando junta os dois, né?!
Exatamente! E te parece uma boa ideia?!
Não, né?!
‘Então tá bom então!’

10 – Arguile é prejudicial a saúde
VERDADEIRO
Eu sei que muitos de vocês estão decepcionados nesse momento. Mas, a verdade dói amigos. A real é que temos que ser conscientes e assumir que somos tabagistas. E o tabagismo, como aprendemos desde criancinhas, não é uma coisa legal. Nosso tão amado cachimbo d’água faz mal sim, e não é porque faz menos mal que o cigarro que temos que esculhambar. Lembrem-se que o segredo da vida é o equilíbrio. Então, aprecie com moderação, na maciota, na humilde, na tranquilidade, que você poderá desfrutar desse mundo maravilhoso por muito mais tempo.
Ah, e me chama também, porque gosto e muito!
Inclusive, ‘cês’ vão me dar licença, que a caneta caiu, e a gente vai bem preparar uma sessão aqui na redação.
Sem “biricotico”, nem cigarro de artista no meio. Porque tem que respeitar!

por: Blog do Arguile