Com a modesta ascensão dos vaporizadores de líquidos (vulgarmente chamados de cigarros eletrônicos ou “vapes”), é cada vez mais comum ouvirmos comparações do prático aparelho com nosso querido “nargos”, muito por conta do volume de fumaça/vapor produzido por ambos. Mas será que eles são realmente tão parecidos assim?

A nossa boa e velha “Wikipedia” define o vaporizador como “um dispositivo elétrico próprio para produzir vapor extraído da água ou seco”. Dito isso, a primeira diferença entre os dois deliciosos aparatos fica evidente: o vaporizador produz VAPOR, enquanto o arguile, FUMAÇA.

E não, vapor e fumaça NÃO são a mesma coisa! A grosso modo, a fumaça é um gás gerado a partir de uma combustão, que depende da queima de algo para existir. Já o vapor é uma substância na fase gasosa, que não chegou a atingir sua temperatura crítica.

Complicou, né?! Tá… Lembra da aula da Tia Cotinha na 3ª série, onde ela explicou como funciona o processo de CONDENSAÇÃO?! Pois é! A água esquenta, EVAPORA (olha aí…), vai lá para o céu, onde a temperatura baixa e a pressão do ar aumenta, o que faz com que o vapor se transforme novamente em água, ocasionando a famigerada chuva, e, consequentemente, quilômetros de engarrafamento pelas ruas.

É exatamente a mesma coisa que acontece com o líquido vaporizado (tirando a parte da chuva), que é popularmente conhecido como juice”!

Diferente do arguile, onde a essência é literalmente queimada para que possamos fumar, o vaporizador (por meio de resistências, bem similares às dos nossos fogareiros) apenas aquece a essência, evitando a combustão.

Aproveitando o gancho, vamos falar sobre ambas as essências, para que você, gafanhoto despreparado, não coloque fumo de arguile no vaporizador do seu amiguinho, achando que vai dar certo e tampouco, colocar “juice” no arguile. Lê isso aqui antes, pelo amor de Khalil Mamoon!

Pois bem: sabemos que a essência de arguile consiste basicamente em tabaco, glicerina vegetal, mel e flavorizantes. O “juice” não foge muito disso. Sua composição também leva glicerina e flavorizantes, além da nicotina (que pode ser líquida ou em cristais, o chamado “Nic Salt”) e do propilenoglicol, que resumindo LEGAL, é o responsável pelo sabor acentuado e aquela pegadinha na garganta que amamos, chamada pelos entusiastas da VAPE NATION™ de “Throat Hit”. E não pense que pela ausência do tabaco você pode simplesmente misturar tudo num potinho e sair vaporando por aí. Negativo, caro queimador de largada. O “juice” passa por um processo de maturação semelhante ao da “shisha”, no qual o líquido descansa por vários dias, para que os flavorizantes sejam melhor incorporados à essência. É interessante também notar como alguns sabores funcionam melhor em determinados casos, como, por exemplo, os flavorizantes doces, que são bem mais acentuados nos “juices”. Mas isso é assunto para outra matéria.

Mas… e na hora de fumar, seus malucos?

No que se refere a questão de tragar a fumaça/vapor, o método é o mesmo: O “Direct Lung”, no qual a fumaça vai direto para nossos pulmões, sem termos aquela sensação da tragada propriamente dita. Quem nunca ouviu um amiguinho dizer “Ah eu fumo arguile, mas não trago”? Pois é “rapeize” a sensação é diferente, mas a gente traga SIM! Ou você acha que toda aquela fumaça que você solta no fluxo, tal qual um dragão com azia, cabe toda nessa sua boquinha de veludo?!

Nota: Muitas pessoas fazem uso dos vaporizadores como alternativas ao cigarro. Para esse caso, há alguns aparelhos específicos com uma concentração maior de nicotina, onde o método usado para consumo é o “Mouth To Lung”, que é o mesmo do cigarro: você armazena a fumaça na boca, antes de mandá-la para seus pulmões.

Quanto ao preparo, aí sim temos grande divergência: Enquanto no arguile temos todo aquele nosso ritual que vocês já conhecem, com o vaporizador é muito mais simples. É só abrir o tanque, jogar o “juice” e vaporar, o que faz dele muito mais prático e situacional.

E isso quer dizer que ele substitui o arguile? Negativo, meus líderes de ginásio!

São “vibes” completamente diferentes. Você não vai acender um arguile no ponto de ônibus, assim como não vai reunir seus amigos para fumar seu vaporizador. Sacou a brisa?

Então para você que já fuma arguile, pense no vaporizador como uma ótima alternativa em momentos que você necessita de praticidade, portabilidade e agilidade. Porque não é uma boa ideia andar com o carvão aceso dentro do carro, não é mesmo?

E aí?! Considerou adentrar o mundo “vaporístico” depois dessa magnânima matéria? Certo! Então vale um aviso: junta uma graninha, pois é um hobby tão caro quanto o nosso!

Paz!

Por: Pombo de Adão