Sabemos que a cultura do arguile surgiu no Oriente, há relatos de uso no século XVII na Índia, outros de que nas Cruzadas os guerreiros sobreviventes levavam o arguile do Oriente para seus países de origem e assim se espalhou pela Europa. Mesmo com o início mais antigo do que possamos imaginar, a tradição árabe de fumar entre amigos para beber e prosear se mantém.

A cultura do arguile foi com o decorrer do tempo se moldando de acordo com a cultura local de cada país. A forma como fumamos no Brasil não é a mesma do Egito, Jordânia, Londres ou de outros países.

Hoje o Brasil dita “moda” no meio, as empresas nacionais criaram produtos que estão sendo reconhecidos no exterior e sendo vendidos em sites de prestígio de países estrangeiros. A criatividade do povo brasileiro em aperfeiçoar produtos vindos de fora é imensa, como é o exemplo o arguile usinado, que não chega a dar diferença no preço, mas é uma nova forma de produção comparada a tradicional que tem produção artesanal.

Quando me refi ro a criatividade não ouso dizer que criar produtos inovadores como os que temos aqui são obra de nossas mentes, muito de tudo isso realmente foi copiado, mas com o nosso “jeitinho” conseguimos imprimir uma característica própria, que passa da fabricação chegando aos métodos mais bizarros de se fazer uma bela sessão.

Com isso, temos a crítica cada vez mais pesada sobre os produtos e a disseminação da cultura, mas o que está sendo criado aqui não deixa de ser nossa cultura. Somos um país tomado pela miscigenação e como tal a mistura e o famoso “tudo junto e misturado” faz parte dessa nossa história, teoria essa antes criticada, hoje aproveitada e aprovada pelos monstros do segmento.

Por: Sidney Gritti