Não seria a primeira vez que falsos estudos de saúde financiados por empresas farmacêuticas são vistos.

A questão é um pouco complicada, porque as gigantescas empresas de tabaco não têm nada a ver com as “pequenas” fábricas de tabaco arguile e como sabemos, os jovens deixaram o cigarro para o arguile.

Na Espanha, a Saúde não fez nada mais sério do que elevar os impostos sobre o tabaco desde que comecei a fumar.

Em 2006 a nova lei antifumo entrou em vigor, proibindo o fumo em bares e restaurantes. Os Hookah Lounges e casas de chá parecem desfrutar de uma brecha legal por não serem cigarros. Porém, recentemente foi aprovado o TPD2, uma nova lei que proíbe a utilização dentro de instalações de nada que emita fumaça e/ou vapor. De fato, o Shisha Messe de Sevilha foi realizado no Pátio Exterior do Fibes.

Até hoje, as autoridades que não são estúpidas sabem que 80% dos lugares de festa oferecem arguiles que, em teoria, deveriam ser essências sem nicotina e são, na verdade, de “melaço de tabaco”, mas eles parecem ficar à margem. Um exemplo de ação foi o que aconteceu em Málaga no ano passado, a polícia fez incursões e buscas em diferentes Hookah Lounge à procura de tabaco contrabandeado principalmente (não por conta da saúde, e sim pelos impostos). Acontece que eles encontraram e aplicaram multas para fechar algumas instalações.

Málaga está muito perto de Gibraltar, onde você pode comprar tabaco com impostos muito baratos que não correspondem à Espanha.

Recentemente, um cartaz pendurado em um centro de saúde em Sevilha era muito viral, a cidade onde a shisha é mais difundida e aceita, eles alegaram que um shisha é equivalente a 50 cigarros. Suponho que se refere a um shisha é equivalente a 50 charutos por litro de fumaça que são sugados em uma sessão de shisha. Não por causa da concentração das substâncias.

Acredito que hoje não haja estudo adequado sobre como fumar shisha pode afetar a saúde, estudos atuais têm uma falta de objetividade e rigor científico. Recomendo ler os estudos e escritos de Kamal Chaouachi, que lança alguma luz e sanidade nos estudos sobre o arguile.

Recentemente, li um artigo interessante na revista Vice sobre esse complicado assunto. “Dr. Joseph Caruso, professor de química na Universidade de Cincinnati, liderou o estudo. Sua equipe testou 12 variedades diferentes de shisha feitas nos EUA e no Oriente Médio. Depois de converter o tabaco em um estado líquido e analisá-lo para o tipo e a concentração de metal, os resultados mostraram que o tabaco de arguile tinha um número menor de metais e substâncias tóxicas orgânicas do que o tabaco de cigarro. Os metais são absorvidos pelo tabaco do solo em que é cultivado, dependendo da área que pode conter mais ou menos metais, mas o tabaco de arguile será sempre menos concentrado devido à dissolução em melaço, glicerina e aromas”.

Pessoalmente acho que uma das principais diferenças quando se trata de fumar cigarros ou fumar arguile, é a queima do charuto, que libera mais substâncias do que a carbonização que ocorre no rosh.

De qualquer forma, devemos ter em mente que as autoridades sempre irão prevenir alarmando a população, uma vez que é lógico e comprovado, que é prejudicial em maior ou menor grau.

Aproveite o nosso hobby com responsabilidade.

Por: Roberto Jekelo