Existente em diversos modelos, cores e formatos, o rosh como é tradicionalmente conhecido por muitos “arguileiros”, no Brasil possui diversos nomes, desde queimador ou fornilho, entre os mais utilizados, até cabeça e casinha. Sim, é isso mesmo: casinha! Em algumas regiões do nosso vasto país o famoso rosh é conhecido como casinha, dentro de sua básica e simples função de armazenar a essência para seu aquecimento e consecutivamente a degustação.

Podemos dividi-los em algumas categorias: Tradicional, Vortex, Hookah Flip, ou “controladores de calor”, Flying Saucer e o Phunnel, uma das preferências dos consumidores hoje no mercado brasileiro.

Rosh Tradicional

Tradicional: Facilmente encontrado pelo simples fato de vir com diversos arguiles, sejam eles árabes, libaneses ou chineses. Quando de barro cru, sem esmalte ou pintura, é o rosh perfeito para essências mais secas, que não possuam tanto melaço, evitando que escorra para a parte interna do arguile e caia na água. Utilizando-o com apenas um sabor, o barro cru possibilita a absorção do melaço de sessões anteriores proporcionando em futuras sessões mais sabor tornando-a mais prazerosa.

Rosh Vortex

Vortex: Os modelos “Vortex” são conhecidos por terem o pino central na altura de suas bordas, furos no pino e em grande maioria possui sua cuba profunda. O seu objetivo é conservar o melaço da essência e mantê-la úmida durante um período maior da sessão e consequentemente seu sabor.

Hookah Flip

Hookah Flip: Primeiro rosh onde a essência fica em uma cuba posicionada acima dos carvões, apoiados em uma base com uma haste fixa facilitando o manuseio para aproximá-los da cuba com a essência. O seu funcionamento se assemelha muito aos atuais roshs com controle de calor: Infinite Fire, Minzari Hookah e Vulcano, pois eles também nos possibilitam o fácil manuseio dos carvões, controle de calor e prolongamento das sessões.

Rosh Phunnel

Phunnel: Com um pino central abaixo de suas bordas e um único furo em seu pino, os roshs intitulados “phunnel” têm como objetivo conservar o melaço da essência e mantê-la úmida, proporcionando uma sessão prolongada e saborosa, com sua estrutura muito similar aos Vortex, os Phunnels fizeram e fazem muito sucesso no mercado brasileiro por proporcionar um ótimo fluxo.

Rosh Flying Saucer

Flying Saucer: Com o design semelhante ao do Vortex o grande diferencial esta em seu pino central acima da borda. Esse modelo foi desenvolvido com o objetivo de proporcionar uma distância relevante da essência para o carvão, tornando-o ideal para ser utilizado com essências mais sensíveis ao calor. Este tipo de rosh também possui as mesmas vantagens de um Phunnel ou Vortex, manter o sabor presente durante mais tempo, por não escorrer o melaço e prolongar a sessão.

Por: Redação HBE