Dúvidas mais frequentes na hora de preparar o seu rosh nos solucionamos aqui… Aprenda sobre furação!

“Mais ou menos furos?”
“Furos finos ou largos?”
“Qual a diferença na hora de fazer a furação?”
“A Furação é um passo bem básico na hora do preparo do rosh certo?”
“A furação vai moficar drasticamente a maneira da minha sessão?”

Poucos Furos

Poucos Furos
Um padrão com poucos furos, fará com que a queima seja mais forte, pois, são poucas as entradas de ar para o fumo, logo, a queima fica mais concentrada, resultando em um sabor acentuado e uma fumaça mais pesada, porém, pode restringir o fluxo.

Muitos Furos

Muitos Furos
Um padrão com muitos furos, deixará sua sessão “mais leve” tanto no fluxo, como na fumaça e sabor, mantendo o fluxo original do rosh.

Furos Acima do Pino Central

Furos Acima do Pino Central
Fazer furos acima do pino central, da uma falsa impressão de “mais fluxo” pois o ar entra direto no pino, sem passar pela cuba, ou seja, parte da sua puxada será apenas ar, dando impressão de menos gosto.

Às vezes é uma boa saída caso o alumínio tenha cedido e encostado no pino, travando a passagem de ar.

Furos Finos

Furos Finos
Furos finos contribuem para uma fumaça mais concentrada também, porém podem ficar tapados pela cinza do carvão, e consequentemente, diminuindo o fluxo.

Furos Largos

Furos Largos
Os furos largos casam muito bem com o padrão “poucos furos” pois evitam que a pouca entrada de ar, atrapalhe sua puxada, mantendo assim o fluxo, e tendo os pontos positivos de se fazer uma quantidade menor de furos.

Para contribuir com o bom rendimento da sua sessão, é sempre bom utilizar folhas de alumínio resistentes, mantê-las sempre bem esticadas, e manter um bom controle de calor, a furação apenas ditará como será a queima da essência.

Galhos não devem ser rejeitados na hora do preparo, eles contêm grande concentração de flavorizantes, o que pode auxiliar para ter mais sabor na hora de fumar.

Dica: picote os galhos.

Por: Felipe Campanelli