Os carvões de nossas sessões vão além de sua composição. Formatos são pontos fundamentais que influenciará sua escolha definitiva!

Podemos levar em consideração e dizer que o mercado nacional para os carvões originados da fibra de coco está bem aquecido, literalmente. Conseguimos distinguir neste “nicho” que existem formatos distintos para um mesmo produto, entre as principais marcas temos os hexagonais, cilíndricos, cúbicos e os flats. Mas, você sabe a função que cada um desses modelos desempenham?

Hexagonal – muito utilizado no Brasil. Seu comprimento e as 6 faces laterais dificultam a movimentação das peças em cima do rosh, pode usar de 2 a 4 peças (controlador), tornando assim a sessão mais versátil. Os pontos negativos são que ele transfere calor intenso para o tabaco, e seu comprimento facilita “quebra” da peça após um tempo de sessão, pois a peça afi na mais na extensão que na largura, “enfraquecendo” a estrutura no meio da peça.

Cilíndrico – mesmas características do hexagonal, mas não possui faces que impedem a movimentação da peça no rosh tornando a sessão mais trabalhosa no manuseio dos carvões. Por outro lado, o cilíndrico pode ser mais versátil para quem usa controladores, pois o formato facilita a alocação das peças, podendo utilizar de 2 a 4 peças dependendo do gosto do fumante.

Cúbico – podem ser usados de várias formas, de 2 a 5 peças dependendo do rosh, utilização de abafador, tabaco utilizado e o gosto do fumante. Com o reforço do abafador, 2 a 3 peças transfere uma alta temperatura sem “sufocar” o rosh pois não ocupa muito espaço, é bem versátil e devido ao formato tem grande resistência a quebra, basta saber a quantidade de peças necessárias para sua sessão. Ótimo carvão para quem não necessita de temperatura alta ou está começando a fumar.

Flat – muito utilizado no exterior, podem ser usados em “pé” ou “deitados” fornecendo menor ou maior temperatura. Utiliza-se de 3 a 6 peças dependendo do rosh, tabaco e gosto. Assim como o cúbico é sempre bom manter o abafador do lado, para suprir a falta de temperatura. Também pode ser utilizado como complemento de temperatura, por exemplo, se a sessão estiver fraca de sabor ou se o controlador não está atingindo a temperatura desejada, pode-se acender de 1 a 3 peças para aumentar a temperatura, independentemente do formato do carvão que iniciou a sessão. Pelo formato reduzido acendem rapidamente, porém há certa dificuldade em se manterem acesos, necessitando de maior rotacionamento durante a sessão.

Recomendo sempre ter diversos formatos de carvão em mão na hora de prepara o seu rosh, fazendo que toda sessão seja perfeita.

Normalmente utilizo os hexagonais e sempre tenho o flat para suprir uma possível falta de calor. Sabendo as diferenças você pode escolher o que se encaixa melhor às suas necessidades, para não ter problemas no decorrer da sessão.

Abraço a todos!

Por: Felipe Campanelli