A busca incessante e incansável dos consumidores brasileiros pelo maior fluxo durante as sessões!

Vamos falar um pouco sobre Fluxo (o que é, como ter mais/menos) e Fumaça (diferenças resultantes de acordo com o preparo utilizado).

Iniciando pela definição da palavra “fluxo”, em nosso meio, nada mais é do que a passagem livre ou restrita do ar ou da fumaça, levada em conta da pon­ta do rosh, passando por todo o arguile até chegar ao fumante.

A grande sacada do fluxo, ao contrá­rio do que muitos pensam, é que não adianta ter uma puxada de arguile leve, se não tem pressão. Os dois caminham juntos para se ter um bom fluxo.

Ele sempre será restringido pela menor passagem de ar do arguile, ou seja, por exemplo, não adianta a stem ter 10 cm de diâmetro interno, se a entrada da mangueira tem 1 cm de diâmetro inter­no, nesse caso, chegará um fluxo de “1 cm de diâmetro” na mangueira.

Para se ter um fluxo “regulado” deve-se preparar o rosh para que a passagem de ar por dentro dela, seja igual a pas­sagem de ar da stem, para que quando restringir a puxada no coração do argui­le, não refletir em uma queima muito concentrada no rosh, ou seja, o ar deve passar “tranquilamente” pelo rosh, para que desça uma fumaça encorpada sem queimar, e ao restringir esse ar na entrada da mangueira e/ou na contra-piteira, você gera a pressão na puxada, resultando em um fluxo regulado e sa­bor/fumaça concentrados.

O fluxo pode ser regulado de diversas maneiras:

  • Quantidade de furos
  • Diâmetros internos de arguile/man­gueira/rosh
  • Quantidade de água na base

Já a fumaça, depende muito de um flu­xo estável, e ao contrário do que muitos pensam, nem sempre + fumo = + fuma­ça. A fumaça é gerada pela queima da glicerina encontrada nas essências, e para se ter uma boa fumaça, deve-se manter uma boa queima da essência no rosh, por exemplo, para uma fumaça mais carregada, você pode prensar um pouco mais a essência, colocar um pou­co mais de calor com mais carvão ou até mesmo utilizar um que atinja altas temperaturas e aguardar para que todo o rosh esteja bem aquecido, para uma fumaça mais leve, essência mais solta, para que o ar circule facilmente entre as folhas, garante uma queima leve e uniforme.

Bom, podemos ver que fluxo e fumaça caminham juntos, e são dependentes um do outro, portanto tentem balancear os dois, de acordo com o material que tem nas mãos, seu arguile e rosh de uso para melhorar suas sessões!

Obrigado a todos! Boa leitura!

Por: Felipe Campanelli