FALA RAPEIZE! Tudo na paz? Sagacidade, sedução e muito Raça Negra?!

Hoje falaremos sobre os tipos de amigos inconvenientes presentes em nossas sessões.

Começando por aquele parça que sem­pre dá aquela babada na mangueira, o FUMETA CACHOEIRA. Você sai de casa todo pomposo, serelepe e pimpão, para arrasar com as cabrochas e meter aquela resenha com os parceiros, e o que acaba acontecendo?! Pois é! Você vai dar aque­la puxada e acaba se afogando naquele fétido líquido corporal alheio. Realmen­te um tanto quanto inconveniente, além de deveras nojento.

Temos também aquele confrade MÃO DE COLA. Você faz AQUELE ritual para pre­parar seu arguile: lava a stem, a base, deixa o rosh tinindo, alumínio impecá­vel, acende a obra-prima e já escorre aquela lágrima ao ver esse DISGRASSA­DO (sic) com a mão esticada, proferindo a temida frase “Tô na B!”. A partir desse momento você já sabe que é mais fácil Jesus voltar e fazer break dance sobre as águas do que você fumar de novo.

O famoso PRESENÇA, o abençoado que leva pro “rolê” apenas a sua própria pre­sença e nunca colabora com fumos, car­vões e afins. Esse sim merecia levar dez tapas de costas de mão na face. O pior de tudo é que ele não se toca e age como se fosse normal. Mas traremos aqui uma tática para esculhambar para com esse tipo de pessoa: finja que você vai prepa­rar aquele fumo premium, mas coloque o fumo de procedência duvidosa e dei­xe o infame fumar a noite toda achando que está arrasando na night. Esse tipo costuma nem notar a diferença!

Por último temos o FUMETA CANTOR, o cara que fica com a mangueira na mão e ao mesmo tempo está recitando a Bíblia de trás para frente, mais lento que o Cid Moreira em slow motion. Esse é o pior tipo. Você tem um arguile lindamente preparado, olha com quem está a man­gueira e se depara com um Elvis Presley atropelado. A regra é clara: se está com a mangueira na mão, é para fumar e não para conversar. Não seja esse tipo de fu­meta vacilão.

E você, tem algum tipo de amigo fumeta inconveniente?

Por: Pombo de Adão