Não está na hora de aceitarmos que se alguém quiser ser CEO de multinacional, se quiser trabalhar num café, se quiser ser professor de matemática, se quiser ser um eterno estudante ou se quiser fazer brigadeiro para festas, tudo bem!

Será que sucesso é ter dinheiro sobrando e tempo faltando ou dinheiro curto e cerveja gelada? Sucesso é filho voltando de transporte escolar da melhor escola da cidade ou é filho que você busca na escolinha do bairro e passa para tomar picolé de uva com ele na padaria?

Busco dinheiro para me sustentar e adquirir coisas que necessito e experiências que só ele pode comprar, meus roshs, fumos e acessórios. Um sucesso em si, que após alcançado, o que vem depois para mim isso é sucesso?

E o que isso tem a ver com o arguile? Digo que o que mais vi nessa vida corporativa é a infelicidade e o arguile é uma das poucas coisas que me trazia paz e felicidade, no momento pós trabalho e vejo que muitos perceberam isso e usaram a famosa frase de Confúcio que diz “Escolhe um trabalho de que gostes, e não terás que trabalhar nem um dia na tua vida”.

O que me deixa mais feliz é ver amigos que eram das mais diversas áreas corporativas, encontrando a felicidade por causa do arguile. Fazendo, criando e vivendo desse nosso amado companheiro de fumaça e reflexão. Acho que todos almejam isso, sendo ou não na ‘fumaça’ do sucesso.

Temos amigos loucos que jogaram diploma e carreira pro alto. Talvez sejam nós os loucos, que jogamos tanto tempo, tanta saúde e todo santo dia, na lata de lixo. Enquanto eles esquentam os carvões da felicidade.

Parabéns pelo verdadeiro sucesso.

Namastê!

Por: Giancarlo Signore