Arguile, narguile, narguilé, shisha, entre outros. O nome dado a esse cachimbo d’água de origem oriental é semelhante em todo o país. Mas você sabia que as tradições variam muito de Estado para Estado? Pois bem, vou relatar algumas coisas que já vivenciei em anos de via­gens e memórias incríveis.

A forma de fumar pode mudar bastante na qual controladores de calor são vistos em grande quantidade em Curitiba/PR e algumas regiões do interior paulista. Já o bom e velho alumínio (minha preferên­cia sempre) é consumido de forma fami­gerada em Campo Grande/MS, lounges de São Paulo e norte do Paraná. Obvia­mente são alguns exemplos, e é por isso que quero saber da sua cidade, do seu bairro, do seu grupo de amigos. Como você(s) fumam? De que forma consome o mundo do arguile? Envie um e-mail!

Mas a ideia por trás disso tudo e mostrar como a shisha vem ganhando sua tra­dição no país, tendo modos e trejeitos únicos em cada região. Isso mostra que a tal “modinha” não é da forma como falam e querem difamar. Outro ponto importantíssimo de se frisar é sobre os gostos, que diferem muito de um para o outro e há a grande necessidade de res­peito pela escolha alheia.

As predominâncias de sabores, arguiles e acessórios já vêm de um tempo, porém é irado observar que a cada dia, semana e mês ganhamos adeptos com gostos inusitados, questionamentos interes­santes e curiosidade aguçada para fazer com que pensamos melhor sobre aquilo que foi estabelecido e se há como gerar melhoria, adaptações, etc.

Por mais cidades novas no mundo do arguile. Incrível quando vi diversas pes­soas fumando em algumas cidades de Santa Catarina, a linda Maringá com muitos adultos fumando em lugares públicos, respeitando todas as regras e condutas possíveis. Histórias e momen­tos impagáveis, enchendo esse coração asiático de felicidade por saber que a luta está sendo boa e vamos ganhar ter­reno cada vez mais.

Beijos e abraços fui!

Por: Gabriel Sakamoto